Han Solo é um daqueles personagens emblemáticos, que não apenas se tornaram ícones do cinema como mudaram a carreira dos atores que os interpretaram. Então é natural que a Disney o aproveite em um spin-off contando sua estória antes de Harrison Ford assumir o papel.

A história se passa entre Star Wars: Episódio III – A Vingança dos Sith e Rogue One – Uma estória Star Wars – com o Império ampliando seu domínio sobre a galáxia, alguns focos de resistência e grupos de ladrões e contrabandistas tentando fazer fortuna. Em meio a este “velho oeste espacial”, encontramos o jovem Han Solo tentando sobreviver e faturar alguns créditos.

E para não ficar enrolando você que acompanha o Cinectus, vamos ao tradicional O que curtimos, O que NÃO curtimos e o Poderia ser melhor.

Curtimos

Alden Ehrenreich – fiel à interpretação de Harrison Ford, não tentou inventar e colocar “a sua visão” do personagem;

Woody Harrelson como Beckett – muito bem no papel de mentor do herói. Lembra o Han Solo que cohecemos antes de se juntar à Rebelião em Star Wars: Episódio 4 – Uma Nova Esperança

Links e referências – Todas as características marcantes do personagem são explicadas: Como conheceu Chewbacca, Como conseguiu a Millenium Falcom em um jogo de cartas, como se tornou um piloto tão bom e até como acabou trabalhando para o gangster Jabba.

Cenas dos próximos capítulos – Se confirmado o esperado filme contando a vida de Obi – Wan no período entre os Episódios III e IV, o cenário já está pronto, inclusive com espaço para um inesperado crossover entre os filmes e as animações Star Wars: The Clone Wars e Star Wars Rebels

Não Curtimos

O Lando Carlissian de Donald Glover – ficamos sem saber se o roteiro foi mal escrito ou se o criativo ator quis reinventar a roda. O resultado é sem graça demais.

O vilão Dyden Vos de Paul Bettany – Clichê toda a vida, passa o filme fazendo pose de badass e termina mais pra bandido de segunda.

Poderia ser Melhor

Thandie Newton – merecia ser mais bem aproveitada. Faz quase uma “ponta” no filme.

Relacionamentos – Tudo muito rápido. Han Solo mal conhece Beckett e já parte com ele para uma missão suicida. Mesma coisa como Chewie, com 5 minutos que se conheceram já são BFFs. Não há o processo de construção da amizade entre eles. Fica meio capenga.

Em resumo, Solo: Uma História Star Wars (2018) é um bom filme e que agrega à franquia. O fraco retorno de bilheteria foi injusto na nossa opinão. Mesmo não sendo um dos melhores, vale o ingresso.

Nota Cinectus: 7,5

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Cinema, Criticas